SAÚDE NEWS

Editorias

Prevenção

15/01/2016
Dr. Geraldo Griza

 Dr. Geraldo, o que representa ser o primeiro Doutor em Implantodontia do Oeste e Sudoeste do Paraná?
Consultório - Toda busca pelo conhecimento traz satisfação pessoal. Ser o primeiro é uma circunstância muito positiva, porém, a região é caracterizada por excelentes profissionais na área. O diferencial em um curso de Doutorado é a pesquisa e, através desta, conseguimos buscar, por exemplo, alternativas viáveis para substitutos ósseos, que é o grande anseio dos pacientes que necessitam de reabilitação bucal.

O que é necessário para a reabilitação com implantes dentários?
Consultório - Quando o paciente busca reabilitação com implantes osseointegráveis, um dos itens fundamentais é a quantidade e qualidade óssea disponível para a instalação dos implantes. Precisa-se avaliar o osso tanto em altura quanto em espessura. Além disso, é necessário verificar a oclusão (mordida) do paciente, bem como perfil facial, altura do sorriso, formato do rebordo alveolar, dentre outros.
 
Por que o osso é perdido?
Consultório - Com a perda dentária, o osso (sem função) sofre um processo chamado reabsorção, que é individual (ocorre de forma muito distinta em cada paciente), cumulativa e gradual e depende da região bucal que está ocorrendo. Com a instalação de implantes dentários osseointegráveis, a reabsorção diminui e, geralmente, é dez vezes menor em uma região onde o implante foi instalado, quando comparada a uma região edêntula (sem dentes).

Como o osso pode ser substituído?
Consultório - Quando o cirurgião se depara com a necessidade de reconstruir um defeito ósseo alveolar, pode ter em suas mãos diferentes opções de enxertia. A literatura nos mostra que o melhor material é o osso autógeno (do próprio paciente). Porém, outros biomateriais podem ser utilizados. Podem também ser de origem homógena (banco de ossos) e heterógena (origem animal) e aloplástica (sintetizada em laboratórios).
 
O que são os biomateriais?
Consultório - Biomateriais, ou substitutos ósseos, são definidos como materiais de origem natural ou sintética, que podem ser utilizados como substitutos de qualquer tecido e de forma terapêutica em humanos. É preciso observar a forma de interação desses materiais e o local para a sua utilização, logo, possuem indicações precisas, que sempre devem ser consideradas. As técnicas e as publicações científicas com esses biomateriais avançam muito rápido, assegurando cirurgias bem sucedidas, com qualidade, satisfação e longevidade.

Como esses biomateriais podem ser utilizados?
Consultório - Podem ser utilizados para correção de pequenos defeitos como fenestrações ou deiscências durante a colocação de implantes ou mesmo em enxertias mais previsíveis como levantamento de seio maxilar.
 
E os demais biomateriais, são oriundos de onde?
Consultório - Os demais biomateriais podem ter origem humana (ossos de banco), que passam por processos químicos antes de serem utilizados, origem animal (geralmente bovina), também passam por vários processos que removem as características biológicas iniciais daquele osso e origem aloplástica, sintetizada em laboratórios. Cada um dos materiais tem suas indicações e vantagens.

Como os enxertos são realizados?
Consultório - Enxertos ósseos basicamente são realizados de duas formas: Em blocos, ou particulados. Cada uma das técnicas tem suas indicações, principalmente em relação às áreas que são realizadas.
 
Por que os enxertos são importantes?
Consultório - O objetivo do tratamento com substitutos ósseos é tratar o defeito ósseo por meio da formação de um novo osso que seja capaz de receber os implantes e dar longevidade ao conceito de osseointegração, que é definido como a união direta entre a superfície do implante e o osso vivo, saudável e em função. Para que ela ocorra, deve haver osso vital e de boa qualidade.
 
Além do osso, o que mais é necessário avaliar?
Consultório - Além do osso, verifica-se também o tipo e a qualidade do tecido mole (gengiva). Algumas vezes, pode-se lançar mão de técnicas de enxertia de tecidos moles, com resultados funcionais e estéticos relevantes, que auxiliam a resolução dos casos, com satisfação por parte dos pacientes.
 
Os enxertos ósseos são sempre necessários para as reabilitações bucais?
Consultório - Atualmente existem técnicas bem fundamentadas pela literatura, que mostram a possibilidade de realizar a reabilitação bucal sem a necessidade de enxertos ósseos. São técnicas com indicações precisas.


Dr. Geraldo Griza
Especialista em Cirurgia e Traumatologia
Bucomaxilofacial - APCD - Bauru
Mestre em Periodontia - USP - Bauru
Doutor em Implantodontia - Unesp - Araçatuba
Coordenador dos cursos de Especialização em Implantodontia e Atualização em Cirurgia Oral da Uni-ABO - Cascavel-PR
Professor da Graduação e Residência em CTBMF da Unioeste - Cascavel-PR
Professor convidado dos cursos de Pós-Graduação em Ortodontia, Prótese e Endodontia
CRO/PR 8057

Dr. Ricardo A. Conci
Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Unioeste - Cascavel-PR
Mestre e Doutorando em Cirurgia e Traumatologia
Bucomaxilofacial - PUC - Porto Alegre-RS
Professor da Graduação e Residência em CTBMF da Unioeste - Cascavel-PR
Professor da Uni-ABO - Cascavel-PR
Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial
CRO/PR 19439


Rua Maranhão, 789 - Centro Clínicas - Cascavel - PR | (45) 3225-2700
Rua Pernambuco, 2450 - Coqueiral - CEP 85807-050 - Cascavel/PR - Fone: (45) 3224-7212 / 3038-7216 / 99972-4744 / 99931-8072
COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.